sábado, 18 de julho de 2009

Estrias atróficas

O que é?
A esporotricose é uma micose provocada pelo fungo Sporothrix schenckii. A doença atinge habitualmente a pele, o tecido subcutâneo e os vasos linfáticos mas pode afetar também órgãos internos. É incluída no grupo das micoses profundas.
O fungo causador da esporotricose habita a natureza (solo, palha, vegetais, madeira) e a instalação da doença se dá através de ferimentos com material contaminado, como farpas ou espinhos. Animais contaminados, principalmente gatos, também podem transmitir a esporotricose através de mordeduras ou arranhaduras.
Apesar de poder ser encontrada em todo o mundo, a esporotricose é mais comum em países de clima quente.
Manifestações clínicas
Após a inoculação na pele, há um período de incubação, que pode variar de poucos dias a 3 meses. As lesões são mais frequentes nos membros superiores e na face.
A esporotricose apresenta formas cutâneas, restritas à pele, tecido subcutâneo e sistema linfático, que são as mais frequentes, e formas extra-cutâneas, que afetam outros órgãos e são mais raras.
Entre as formas cutâneas, encontramos:
Forma cutâneo-localizada: restrita à pele ou com discreto comprometimento linfático (íngua). É caracterizada por um nódulo (lesão elevada) avermelhado, que pode ser verrucoso (endurecido e com superfície áspera) ou ulcerado (ferido), geralmente recoberto por crostas. Esta forma também pode ocorrer nas mucosas (boca, olhos);
Forma cutâneo-linfática: é a forma mais frequente de manifestação da esporotricose. A lesão inicial é um nódulo que pode ulcerar (ferir). A partir dela, forma-se um cordão endurecido que segue pelo vaso linfático em direção aos linfonodos (gânglios) e, ao longo dele, formam-se outros nódulos, que também podem ulcerar, dando um "aspecto de rosário". Pode ocorrer o surgimento de ínguas, que são, geralmente, discretas (foto abaixo);
Forma cutâneo-disseminada: as lesões nodulares, ulceradas ou verrucosas se disseminam pela pele. Esta forma é mais comum em pacientes imunodeprimidos.
Existe, ainda, a forma extra-cutânea, ocorrência mais rara, na qual a infecção atinge outros órgãos como: pulmão, testículos, ossos, articulações e sistema nervoso. Nesta forma, a via de contaminação costuma ser a ingestão ou inalação do fungo e também pode haver imunodepressão associada ao seu surgimento.
Tratamento
O tratamento da esporotricose pode ser realizado com o iodeto de potássio, que é bastante eficaz mas pode ser acompanhado de efeitos colaterais, além de antimicóticos de uso sistêmico (via oral). As doses e o tempo de tratamento variam e devem ser determinadas pelo médico dermatologista.
Fomas graves da doença podem necessitar de tratamento com antimicótico por via venosa. Na forma localizada, pode ocorrer cura espontânea.

2 comentários:

  1. Proponho a tecnica de TSR que elimina 100% as estrias. Caso deseje, pode ir na home http://www.estheticenter.com.br e clicar em mídia onde aparecerá reportagens, inclusive as que sairam na REvista Pástica & Beleza onde fala na integra sobre o tratamento que é patenteado e cientificamente comprovado.
    abraços, Dra. Kátia Ferreira

    ResponderExcluir
  2. Saiu a minha reportagem no Site Hiper Fashion sobre estrias!!!
    Segue o link para vocês lerem.
    Reportagem http://www.hiperfashion.com.br/home.cfm?pagina=noticia&id=1361&jn=1

    Abraços, DRa. Kátia Ferreira
    www.estheticenter.com.br

    ResponderExcluir